• Facebook
  • Twitter
  • Google+

Incontinência urinária

14 de fevereiro de 2014

É comum encontrarmos por aí, homens e mulheres que, mesmo novos, sentem dificuldade em controlar a urina.

incontinência urináriaProblema muito frequente entre a população, esse desconforto acomete pessoas em todas as idades e se caracteriza pela incapacidade de segurara urina quando a bexiga está cheia.

A Fisioterapia pode ajudar e muito a solucionar este problema, com tratamentos que envolvem um estratégico e potente treinamento muscular para aumentar o tônus da pelve, que é a área responsável pelo controle da bexiga.

As manifestações mais comuns da incontinência ocorrem quando o indivíduo faz um esforço mais exagerado, durante a prática de atividades físicas pesadas, ou mesmo quando a pessoa tosse ou dá risada. Dependendo da incapacidade de controle da bexiga, o desprendimento da urina pode ocorrer diante de movimentos mais pesados do corpo ou mesmo em ações simples da vida. Há também a chamada Incontinência de Urgência que é aquela que se manifesta através de um desejo urgente de urinar, desejo este que a pessoa não consegue nem ao menos chegar até o banheiro.

A incontinência urinária é ainda mais comum entre as mulheres que passaram por parto normal e também entre os homens que tiveram doenças na próstata.

Em alguns casos, uma cirurgia pode ser indicada, mas o tratamento conservador vem se destacando cada vez mais, devido aos bons resultados.

A Fisioterapia pode ajudar e muito a solucionar este problema, com tratamentos que envolvem um estratégico e potente treinamento muscular para aumentar o tônus da pelve, que é a área responsável pelo controle da bexiga.

O objetivo da Fisioterapia, diante da incontinência, é fortalecer essa importante musculatura do assoalho pélvico, que está flácida, aumentando-lhe resistência e reeducando esse conjunto de músculos para a manutenção e o controle da urina na bexiga.

A prevenção da incontinência é outro importante trabalho que a Fisioterapia pode realizar e orientar pessoas, acima dos 30 anos.

Sem dúvida, um pequenino controle aumenta em proporções gigantescas, a autoestima de quem sofre desse problema desagradável.

Comentários